Hora de Ler: Torre Negra - Stephen King (review geral)



E aí, galera, tudo certo??

Estou aqui para falar de uma série de livros muito boa mas parece ser pouco conhecida no Brasil: Torre Negra, de Stephen King.

(Obs. essa review só vai servir pra dar uma introdução na série, as reviews dos livros propriamente ditos virão logo.)

Pipocando - É o fim!


Filmes sobre o fim do mundo vieram com tudo nos últimos tempos, cada um tentando superar o outro em questão de tecnologia, drama ou humor.

Games: Fez



E aí, galera, tudo bem??
Estou aqui pra falar sobre um jogo lindo e um bocado difícil chamado FEZ.

Pipocando - Mato Sem Cachorro


O filme é com a Leandra Leal e o Bruno Gagliasso, fazendo Deco e Zoé, um casal que se conhece e é amor a primeira vista. Mas não tem aquela praxe comédia romântica onde o casal faz muitas coisas fofas e depois rompem e no fim voltam, tudo lindo. É mostrado muito rapidamente os bons momentos dos dois juntos, com o cão que fez eles se conhecerem, por mero acaso. O cão, Guto, sofre de Narcolepsia canina, uma doença que faz o cão desmaiar sempre que tem alguma emoção (alegria, susto, medo..).

O filme ganha na questão que não é uma história onde o cão é o personagem principal, nem o casal. É uma história pessoas + cães. E essa relação é ressaltada no modo como Deco e Zoé chamam Guto: Filho. Eles se consideram, literalmente, mamãe e papai de Guto. Todo mundo que tem um cão e ama, cuida do seu cão, tem essa relação tão forte. Os homens me desculpem, mas eu penso que esse sentimento é mais intenso nas mulheres. Nossa maternidade floresce com a sensação que aquele animal de estimação é MESMO seu filho (não falo apenas de cães aqui), como se tivesse mesmo saído de dentro da gente (eu me sinto assim com meu cachorro...)

Pontos negativos:
- Excesso da palavra “porra” estraga o filme.
- O Danilo Gentili estraga o filme (pelo bem da nação, Danilo Gentili, não faça mais filmes, você não é engraçado, é completamente forçado e um ator terrível, dá pra sentir isso do outro lado da tela).
- Idem o comentário acima sobre o Rafinha Bastos no filme. Acho que a intenção era chamar o público, porque “nossa os caras são fodaas mano”. Só que não. Não.
- Não dá pra entender que época o filme se passa. Você jura que é anos 70, mas aí tem notebook, internet e smartphones no meio. Qualidade de imagem deixa a desejar.
- A trilha sonora é horrível. Sério. Horrível. Exceto por I Love rock n’ roll da Joan Jett e No Surprises do Radiohead.

Após tantas críticas duras, quero ressaltar que Leandra Leal e Bruno Gagliasso são excelentes atores, e ficam ótimos no filme, assim como o cachorro (não to sendo irônica!). Isso é o que salva. Não é muito....


Pipocando - Os Estagiários


Oooopppaa! Não sou muito boa me apresentando, mas vamos pro básico: Me chamo Bruna, tenho 21 primaveras e irei fazer resenhas de filmes aqui pois vi que o blog não tinha. Esse é Pipocando! Estou cursando Publicidade e Propaganda, então espero comunicar pra vocês de uma forma bem clara! Toda sugestão é bem vinda!

Os Estagiários



O filme gira em torno dos personagens Nick (Owen Wilson) e Billy (Vince Vaughn), os mesmos atores de “Penetras bons de bico” e a parceria dá certo mesmo! É uma comédia não forçada, mas previsível. Mas dá pra rir muito! 

O filme trás uma questão interessante e atual: Até onde a tecnologia vai?! Billy e Nick eram vendedores de relógios para lojistas, porém o dono da empresa decide fechar, por motivo de que  vender algo de porta em porta “não existe mais”, os compradores compram por internet, telefone, sem marcar reunião pra ficar ouvindo representante. E os últimos a saberem são eles. Quarentões sem uma universidade, em meio a uma crise econômica, como arrumar emprego? 

Eis que surge uma luz e as criaturas decidem tentar vaga no GOOGLE. A empresa dos sonhos de todo jovem. Mas vemos que não é fácil, nerds para entrar no Google precisam mesmo serem nerds. Nível High Nerd. Como não entendem nada de nada e mentem (não mintam em entrevistas, ok? É feio e você se suja!), e recebem um “ah vamos lá, dê uma chance aos caras” de um High Nerd de dentro da empresa, passam na aprovação para a seleção. E aí a diversão começa!
E é aí que entra a questão: Quando se está trabalhando em uma equipe, você quer os destaques para você, ou para a equipe? As decisões tomadas são suas ou da equipe? Uma pessoa preocupada com seu profissional responderia da equipe. Mas não é isso que ocorre, nem em locais de trabalho nem em escolas e faculdades mundo afora. E aí esses quarentões desatualizados mostram que parceria, animação e persistência levam a um patamar superior. É a Lei do Merecimento: Eu corro atrás com ações de merecimento pelo que busco, eu consigo.
O filme em nenhum momento faz uma propaganda do Google (se tem uma empresa que não precisa de propagandas é o Google). Mas levanta o “Google way of life”: Trabalhar juntos, para um objetivo da organização, trabalhar de cabeça fria, relaxando, e mesmo assim ter um bom rendimento é possível sim! 

Trailer:

Leitura Digital: Charlie e o Grande Elevador de Vidro - Roald Dahl


Olá leitores! Review novo na área, mais uma vez Roald Dahl aparecendo por aqui.

Top Comentarista de Novembro



Aeeee! Voltei com notícia boa para vocês!