Pular para o conteúdo principal

Hora de Ler: Lobos de Calla - Stephen King (Torre Negra #5)



Alô, Tedio-folken*!! Tudo certo?
Então vamos retomar a caminhada (sem fim) em direção à Torre Negra, dessa vez falando sobre o livro 5: Lobos de Calla.

O livro dessa vez não começa com o ka-tet do 19 - Roland e cia., mas sim em Calla Bryn Sturgis, uma cidadezinha que vai receber uma notícia bem desagradável de Andy, o robô multi-tarefas da cidade: dali a um mês os Lobos chegariam.

E o quê são os Lobos? Bem, ninguém sabe. Só se sabe que eles vêm a cada geração (uns 23 ou 24 anos) pra levar algumas crianças para o lugar de onde eles vêm, o Trovão, e depois de um tempo as crianças voltam retardadas e com os hormônios de crescimento "quebrados" - a Calla-folken chama as crianças com essas condições de roonts. O mais bizarro de tudo é que a esmagadora maioria da cidade é composta de irmãos gêmeos univitelinos. Os Lobos levam um de cada par, só os mais bebês ou os que já estão adolescentes não são pegos.

Um dos fazendeiros se revolta e resolve lutar contra os Lobos. Ele convoca uma Assembleia na cidade, e consegue convencer a maioria do pessoal a fazer o mesmo. Ele só consegue fazer isso com a ajuda do père Callahan, que divulga a notícia de que vem vindo um grupo de pistoleiros - sim, o nosso ka-tet - para a região. Eles poderiam parar pra ajudá-los nessa difícil tarefa, porque não?

Enquanto isso, o ka-tet acampado numa floresta nas proximidades "ganha" uma nova missão: salvar uma rosa que fica em um terreno baldio na Nova York dos anos 70. Essa rosa é uma manifestação da Torre no nosso mundo, e se for destruída a Torre também vai pro saco. Eles descobrem isso quando Eddie, Jake (sim, aquele Jake) e Oi entram em todash (tipo uma projeção astral sinistra) e vão pra NY. O problema é como eles irão pra lá em carne e osso: a última vez que o grupo colocou os pés no nosso mundo foi no último livro, e nem era aquele mundo, mas uma versão que tinha seguido adiante na sua maneira. E também há um problema (sempre tem um problema): Susannah está tendo umas reações muito estranhas depois de dormir. Quase como se uma nova personalidade tivesse surgido... E ela pode estar grávida. Não de Eddie, infelizmente.

O povo de Calla localiza o ka-tet e manda o père pra falar com eles. Ele os convencem a ajudá-los e assim eles vão pra a cidade preparar-se para os Lobos.

Então algumas coisas começam a se revelar: o père tem uma bola de vidro maléfica, a mais maléfica de todas: o Treze Preto, que poderia ajudá-los a ir pra NY. Eles também acham uma porta que dá acesso ao nosso mundo em uma das montanhas próximas... Isso facilita um pouco as coisas. Callahan também conta sua história pro ka-tet: ele é simplesmente o padre Callahan de 'A Hora do Vampiro', outro livro do tio King. Ele fala como ele continuou sua vida depois da sua estadia em Jerusalem's lot e como foi parar em Calla.

Conforme o fatídico dia chega, segredos dentro do ka-tet surgem e isso pode fazer com que se rompa. Há segredos em Calla também, que se não fossem descobertos a tempo poderiam ter estragado o plano. O ka-tet também vai pra NY utilizando a porta, para tentar salvar a Rosa. As complicações com Susannah aumentam, Eddie descobre o que são os Lobos, Jake deve tomar uma difícil decisão...

Esse livro é outro filler, basicamente... Um ótimo filler, mas ainda assim um filler. Eu simplesmente amei a história de Callahan (droga, King, vc sabe construir um personagem), gostei bastante como a história vai se enredando com outras obras dele. A única bronca que eu tenho, além da encheção de linguiça, é que ele não escreveu muito sobre os roonts. Eles poderiam participar um pouco mais da história...



Susannah ou o que está no corpo dela, prestes a parir o "chapinha", rouba o Treze Preto e foge pra NY. O restante do ka-tet bola um plano de resgate que acaba dando errado por obra do ka... E a Torre está cada vez mais perto, e seu fim também. E agora?? Não percam a próxima resenha da Torre Negra: Canção de Susannah!!

*Tedio-folken: algo como 'pessoal do Tedio'... tem base em Calla-folken, 'o povo de Calla'.