Hora de Ler: A Ascensão da Sombra (A Roda do Tempo #4) - Robert Jordan


Olá, leitores e leitoras do Tedio, tudo bem?

Aproveitando que abril está chegando e com ele o sexto volume de A Roda do Tempo, já intitulado como “O Senhor do Caos”, vamos adiantar um pouco o ‘Especial Surpresa’. Com vocês, o review de A Ascenção da Sombra! Caso deseje informações sobre a série em geral, clique aqui.



Os lacres de Shayol Ghul enfraquecem, e o Tenebroso avança. A Sombra se ergue para encobrir definitivamente a humanidade.
Em Tar Valon, Min tem visões de um destino terrível. Será o fim da Torre Branca? Em Dois Rios, os Mantos-brancos caçam o homem de olhos dourados e o Dragão Renascido. Em Cantorin, junto ao Povo do Mar, A Grã-lady Suroth vislumbra o retorno dos exércitos Seanchan ao continente. Enquanto na Pedra de Tear, o Lorde Dragão planeja seu próximo passo e ninguém será capaz de prevê-lo. Nem a Ajah Negra, as nobres de Tairen ou as Aes Sedai, nem mesmo Egwene, Elayne e Nynaeve.
Declarado o escolhido da antiga profecia, Rand al’Thor, o Dragão Renascido, precisa seguir em frente e cumprir seu destino: proteger o mundo do retorno do Tenebroso.

~

Após os acontecimentos em Tear, no final do terceiro livro, Rand & cia. ficam por um tempo na cidade, até que um ataque de Trollocs e outros seres da Sombra fazem ele tomar uma decisão que seja inesperada para inimigos e mesmo aliados. A partir daqui novamente o grupo se divide mais uma vez:

  • Rand, Mat, Moraine e Lan, e Egwene vão para o deserto Aiel, lar do povo Aiel, devido a ligação entre eles que foi citada no final do terceiro livro;
  • Nynaeve e Elayne vão para a cidade de Tanchico para investigar atividades da Ajah Negra;
  • Perrin e Faile vão para Dois Rios após ele descobrir que o lugar estava infestado de Mantos-Brancos procurando por ele e Rand;
  • Ainda há uma quarta “linha” baseada em Tar Valon, com PoVs focados na Min e na líder das Aes Sedai.


Este é o primeiro livro onde a Equipe Dois Rios™ não se encontra novamente no final, e isso é algo interessante porque essa característica de ‘todo-mundo-junto-no-final’ já estava ficando um pouco manjada. Os núcleos, digamos assim, assim como cada personagem, ganham mais independência e espaço para crescer.

Também há espaço para introduzir cultura (os Aiel, por exemplo), política (alguns PoVs contendo informações sobre nações, cidades-estado etc), mitologia e mais um pouco de ‘Previously on Wheel of Time’ meio desnecessário.

Falando em desenvolvimento de personagem, esse livro parece ter sido o pontapé inicial para um desenvolvimento mais profundo para o Perrin e (principalmente) para o Mat. Estava ficando um pouco chato eles ficando à sombra do Rand. Apesar do Perrin ter tido mais espaço para brilhar o Mat também teve sua “chance”, digamos assim.

O núcleo das Aceitas (Nynaeve e cia.) foi ótimo; teve bastante ação (e teve a Nynaeve sendo maravilhosa de novo). O núcleo Tar Valon também mostra um lado mais humano das motivações e atividades da Torre, não exatamente no bom sentido. A questão da Egwene ter ido com Rand para o deserto Aiel também a ajudou no desenvolvimento, semelhante ao caso do Perrin.

Apenas infelizmente tenho que comentar sobre a frase da sinopse sobre a Grã-Lady Seanchan. Ela quase não aparece no livro. Não entendi porque ela apareceu na sinopse, mas tudo bem.

Momento ‘vou dar um tiro na cara do Jordan’ (parte 4 de 14)! O ‘previously on WoT’ está começando a ficar cansativo. Eles ficam mais no começo do livro, parece que demora meses para o ritmo pegar mais velocidade. Eles não estragam a qualidade da obra, é apenas essa questão do peso mais no início do livro.


Relembrando que todos os livros até o sexto foram publicados pela Intrínseca em formatos físico e digital, disponíveis nas melhores lojas do país.

Até o próximo review!!

Comentários