Hora de ler: Os 13 porquês - Jay Asher



Ao voltar da escola, Clay Jensen encontra um misterioso pacote com várias fitas cassetes. Ele
ouve as gravações e se dá conta de que foram feitas por uma colega de classe que cometeu
suicídio duas semanas antes.

Nas fitas, ela explica que 13 motivos a levaram à decisão de se matar. Clay é um deles. Agora
ele precisa ouvir tudo até o fim para descobrir como contribuiu para esse trágico
acontecimento.

~

O livro começa já com o incidente de Hannah que aos poucos vai nos introduzindo ao
ambiente escolar, apresentando os “amigos” indo e voltando na história fazendo cada coisa se encaixar (como em todo bom suspense).
Por se tratar de um assunto delicado como o suicídio, muitas vezes o livro fica bem pesado principalmente no começo é um pouco “chocante” mas depois as coisas melhoram (se é que algo pode ser considerado bom na vida de Hannah) e o clima ameniza, mas no geral é uma obra tensa.

Já adianto que o autor promete muita coisa na sinopse mas não é bem isso que ele entrega.
Muitas vezes as reclamações de Hannah soam como birra de menina mal criada, mesmo tendo aquele contexto da depressão algumas coisas poderiam ter sido toleradas pela personagem ou simplesmente excluídas do livro.
Clay é quem mais sofre no fim das contas, todo o peso do suicídio cai inconscientemente sobre ele que apesar de não ser próximo de Hannah era apaixonado por ela mas nunca avançou por medo, devido a isso ele sente culpa pelo acontecido. Como a própria diz isso tudo se tornou uma bola de neve foram vários fatos que isolados não teriam tanta importância só que ela deixou se levar a ponto de tirar a própria vida.

O começo do livro tem um tom meio Gossip Girl onde os segredos mais obscuros de todos serão revelados, mas adivinhem: O autor se perde lindamente no meio do caminho, é tanto vai e volta que às vezes nos perdemos também.

Ao concluir a obra pude identificar o mesmo sentimento que tive com Garotas de Vidro e A
Playlist de Hayden: não é ruim, mas também não é maravilhoso, ainda mais depois de um final “corrido” tinha tudo pra virar favorito masssssss... Faltou muita coisa infelizmente; o que me conforta é a série da Netflix baseada na obra que estreia essa semana e pelos teasers parece que vai “salvar o livro” to bem ansioso sendo muito sincero.
Aliás, a série foi o maior motivo de eu ter encaixado o livro na TBR, que estava há séculos
esperando para ser lido aqui mas nunca aparecia a vontade.

Vocês devem saber que amo Sick-lit e acho uma pena esse não ter funcionado tão bem comigo, parte disso se deve a edição digital porca cheia de erros e palavras faltando que tornaram a leitura um pouco cansativa, ao mesmo tempo que não influenciou no julgamento final da obra pois eu estava consciente disso.

É um livro bom. Recomendo irem sem expectativas e se possível sem nem saber do que se
trata. Talvez eu volte para comentar sobre a série, irei pensar sobre. 3 estrelas está mais que suficiente.



Hora de ler: Matéria Escura - Blake Crouch



Essas são as últimas palavras que Jason Dessen ouve antes de acordar num laboratório, preso a uma maca.
Raptado por um homem mascarado, Jason é levado para uma usina abandonada
e deixado inconsciente.

Quando acorda, um estranho sorri para ele, dizendo: "Bem-vindo de volta, amigo."
Neste novo mundo, Jason leva outra vida. Sua esposa não é sua esposa, seu filho nunca nasceu e, em vez de professor numa universidade mediana, ele é um gênio da física quântica que conseguiu um feito inimaginável. Algo impossível.

Será que é este seu mundo, e o outro é apenas um sonho? E, se esta não for a vida que ele sempre levou, como voltar para sua família e tudo que ele conhece por realidade?

~

Que. Livro! Pensem numa narrativa de tirar o fôlego e ainda te fazer questionar várias coisas, isso é Matéria escura.

De início ficamos tão perdidos quanto Jason sem saber onde nem o motivo dele estar ali
naquele laboratório em seguida o autor nos confunde com outra cena do cotidiano mas Jason
mesmo continua sendo examinado no laboratório sem lembrar nem do próprio nome.
Aos poucos as revelações aparecem no maior estilo “quebra cabeça” onde tudo começa a fazer sentido e você tem vontade de reler os primeiros capítulos para entender mais profundamente o que aconteceu.
Crouch as vezes é um pouco descritivo mas não é nada irritante do tipo 3 páginas sobre o ambiente, senti que algumas foram puramente encheção de linguiça porém de uma maneira  até aceitável, talvez isso tenha sido um modo de “pausar” toda a tensão da obra. O final
surpreende, você fica torcendo e tal, mas foi um pouco corrido.

A graça do livro é se situar porque você entra num mundo totalmente novo se torna o melhor amigo de Jason e íntimo de sua familia, não fica claro no início a questão da timeline se ele está viajando no tempo, dimensões paralelas (tipo a Londres de baixo) ou se tudo aquilo é um sonho.
A intrínseca meio que dá a resposta em uma das imagens de divulgação mas prefiro
que vocês descubram e fiquem de queixo caído.

Esse é um daqueles “blow your mind” que não é difícil mas requer um pouco de atenção para um melhor entendimento. A parte de física quântica é muito bem explicada e explorada, conteúdo pesado na medida certa sem deixar que o livro fique chato ou cansativo (Oi Perdido em Marte).

São notáveis as referências aqui até mesmo das próprias obras do autor como a trilogia Pines que tem uma sinopse parecida, onde um detetive acorda sem documentos nem memória num lugar esquisito e precisa provar quem é aos habitantes dali e não tem como falar com a esposa nem o filho; também me lembrou EntreMundos obra de Neil Gaiman em parceria com Michael Reevs e para finalizar as referências: Doctor Who.
O “chato” de falar sobre esse livro incrível é que como se trata de um thriller qualquer coisinha a mais que eu disser será spoiler, longe de mim estragar a experiência de vocês com a obra.
Durante a leitura fiquei pensando em mil teorias conspiratórias mas não tinha com quem conversar sobre :( esse é um dos maiores desesperos de um leitor kkkkkkkkkkkkkk.

No final do livro nas notas e tal o autor já nos adianta que os direitos para adaptação estão com a Sony e teremos um filme da obra! Se seguirem o que tá escrito tem tudo pra ser um filmaço.

Eu não tenho o costume de ler thriller/suspense/policial mas me surpreendi de tal forma que irei sentir falta dos personagens.
Já to enchendo o saco dos amigos “leia matéria escura” pois o mundo precisa conhecer essa versão de mundo criada pelo autor.

Nem preciso dizer que virou
um dos favoritos do ano/vida né?
Leva fácil 5 estrelas!
Spoiler: Vai ter sorteio de um exemplar por aqui logo mais.

1 Clássico de cada Vez: O Apanhador no Campo de Centeio - JD Salinger


Um garoto americano de 16 anos relata com suas próprias palavras as experiências que ele atravessa durante os tempos de escola e depois. Revela o que se passa em sua cabeça. O que será que um adolescente pensa sobre seus pais, professores e amigos?

~

Esse é o resumo do que se encontra no livro, uma história aparentemente simples quase aleatória de um adolescente relatando um período de 3 dias na sua vida, pena que vai muito além disso e aí está a graça do livro.

Holden acaba de ser expulso de mais um colégio interno por ter reprovado em quase todas as matérias (exceto inglês). Faltando poucos dias para o feriado de Natal onde os alunos são liberados, ele decide fugir para que os pais não saibam (de novo) e se decepcionem novamente. O menino vaga sozinho pelas ruas de NY com um dinheiro que a avó lhe enviava e vive muitas aventuras (ou não) até conseguir chegar em casa.


Falando assim parece um livro bobo, porém a questão central não é a história mas sim “a mente” de Holden, todo o resto é apenas um pano de fundo.
Vamos lá: O menino tem 16 anos, bebe que nem uma esponja, fuma horrores, odeia tudo e a todos gratuitamente, não tem modos e se sente solitário no mundo. Muita gente erroneamente o considera um rebelde sem causa. Sem conhecer bem a impressão que fica é essa mesmo, mas ninguém sabe que ele tenta lidar com a depressão e isso já é um quadro bem agravante, fora a transição da infância/adolescência para a vida adulta a qual ele se recusa pertencer.

Então sim, isso explica muita das atitudes do menino como a mudança de humor repentina, a revolta com os “amigos” dentre outras coisas. Tanto faz ele falar bem de uma pessoa (como o colega de quatro) quanto odiá-lo no minuto seguinte. Me arrisco a dizer que Holden é um personagem forte e intenso na questão emocional.

Um dos pontos fortes do livro é o amor que ele sente pelos irmãos mais ainda pela única próxima a caçula Phoebe. Tem uma forte admiração por D.B. o irmão escritor que foi para Hollywood fazer roteiros; e todo um sentimentalismo por Allie que morreu de leucemia. Ele só decide voltar para se despedir de Phoebe mas os planos dele mudam totalmente a pedido da irmãzinha.

O livro é cheio de críticas a sociedade de maneira disfarçada, quase uma alegoria como costumam chamar esses livros. Tem muitas partes engraçadas, muita “treta” e outras em que você só quer abraçar Holden de tanta pena...
Na verdade Holden é um menino carente depressivo e ingênuo que usa da ignorância um escudo, tem tudo (família, casa, estudou nos melhores colégios) só não tem maturidade suficiente mas no fim das contas é um menino de coração muito bom.

Nem precisa dizer que AMEI né?! Me arrependo de não ter lido antes, entrou para os fav e leva 5 estrelas!




Quotes:

"Bom mesmo é o livro que quando a gente acaba de ler fica querendo ser um grande amigo do autor, para poder telefonar para ele toda vez que der vontade."

"A gente não precisa entrar sempre nesse negocio de sexo para conhecer direito uma garota. "

"As pessoas sempre batem palmas pelas coisas erradas."

"Só porque uma pessoa morreu não quer dizer que a gente tem que deixar de gostar dela..."

"Quem é que quer flores depois de morto? Ninguém."


PS: Tradução horrenda dessa editora, vou reler no original e espero aproveitar bem mais. Esse tradutor foi um “bobalhão” falo isso “ no duro”.

Hora de ler: Os filhos de Anansi - Neil Gaiman



Charlie Nancy tem uma vida pacata e um emprego entediante em Londres. A pedido da noiva, ele concorda em convidar o pai para seu casamento e fazer disso uma tentativa de reaproximação, já que há vinte anos os dois não se falam. Enquanto isso, no palco de um karaokê na Flórida, o pai de Charlie tem um ataque cardíaco fulminante.

7 Metas para 2017


Fala galerinha, tudo certo? Só para avisar esse é um post bem pessoal no qual eu vim pensando em fazer há um tempo.